Você está em Artigos

Cozinha italiana

A culinária italiana tem uma grande variedade de cor e perfume nas suas receitas. Alguns dos temperos utilizados para conferir perfume são: alecrim, manjericão, sálvia, rosmaninho e salsinha.

O café da manhã (colazione) costuma ser leve e consiste de um cappuccino (café com leite) e um brioche (bolinho), ou apenas um café puro. O pranzo (almoço) é a refeição principal do dia. Habitualmente consiste de antipasto (entrada), um primo (massa, arroz ou sopa) e um secondo (carne ou peixe com verdura ou salada).

Em relação às bebidas, os vinhos italianos são os mais comprados no exterior. Existem em todos os níveis, desde os mais simples, artesanais, até os mais elaborados.

Em relação aos hábitos alimentares, os italianos preferem a carne de maneira mais rústica, direta. Uma das carnes bastante utilizadas é o toicinho da barriga do porco, chamado de panceta.

Os molhos ficam para as massas. Para os cozidos, será sempre bom levá-los a mesa fumegantes, na própria panela de barro preferencialmente e servidos em pratos fundos e cumbucas artesanais. A carne de vitela é apreciadíssima.

Quanto aos peixes, vale lembrar que a Itália é banhada por dois mares: o Mediterrâneo e o Adriático. Além disso, os rios cristalinos dos Alpes e outras regiões hospedam uma fina variedade de peixes com destaque especial para as trutas.

Na Itália usa-se muito o atum fresco. E, da mesma forma que em quase todos os países, os italianos cultivam receitas com aves, com natural predominância das galinhas e frangos.

Existem vários tipos de massas, como por exemplo: fusilli, spaguetti, capellini, lasagna, ravióli, fettuccine, canelone, talharine, gnochi, capeletti, pizza, entre vários outros. O termo al dente é muito utilizado pelos italianos. O ponto do macarrão cozido deve ser al dente, isto é, cozido, mas ainda durinho.

Quanto aos queijos, há uma variedade quase inconcebível deles na Itália, embora nem todos se prestem ao uso culinário. Uma ótima sugestão é comer o queijo antes ou depois das refeições. Antes, o parmesão, por exemplo, combina muito bem com as azeitonas pretas temperadas e o pão. No final, os queijos combinam com nozes, pêras ou maçãs.

Nenhuma refeição italiana dispensa os pães. A sopa é também uma instituição nacional na Itália. De norte a sul, ela esta em todas as mesas: leves, delicadas, densas, fortes ou aveludadas. A grande vantagem da sopa é que ela permite infinitas variações. A hierarquia sempre reservou para a sopa a hora de começar a refeição, substituindo a salada ou não.

No verão, ela assume ares mais importantes chegando a fazer às vezes do prato principal, tendo como precedente a salada. Prato principal ou não, a sopa praticamente exige a presença de seu companheiro mais fiel: o pão, de preferência o bom italiano.

O trio de sobremesas mais conhecido na Itália é: Zabaglione, zuppa inglese e spumone. Entretanto, existem também tortas finíssimas, sorvetes ou biscoitos.

Destacada a herança da culinária italiana, podemos citar a macarronada, com seu molho à bolonhesa, de sabor e aroma inconfundíveis.

Como referenciar: "Cozinha italiana" em Só Nutrição. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2018. Consultado em 18/10/2018 às 20:11. Disponível na Internet em http://www.sonutricao.com.br/conteudo/artigos/cozinhaitaliana/