Você está em Artigos

Desnutrição infantil

Para diagnosticar a desnutrição infantil, devem ser investigadas as medidas antropométricas, exames laboratoriais, manifestações clínicas e alimentares.

Os indicadores antropométricos são mais utilizados, sendo muito comum a denominação de desnutrido quando a criança tem baixo peso para a idade ou para a estrutura.

Esse critério é de extrema relevância. Porém, em alguns casos, é necessário levar em consideração a avaliação clínica e a história dietética para elaborar o diagnóstico final, pois em casos de crianças com edema ou constitucionalmente magras, o resultado antropométrico vai apontar, erroneamente, para eutrofia (normal) e desnutrição, respectivamente.

As formas de manifestações clínicas da desnutrição são:

  • Kwashiorkor: Desnutrição predominante protéica.
  • Marasmo: Desnutrição energético-protéica equilibrada.
  • Kwashiorkor-marasmático: Forma mista, em que existe a desnutrição energética e a protéica, porém desequilibrada.

Kwashiorkor

 

É mais frequente em crianças menores de 5 anos e apresenta como características básicas: edema, diarreia, descamação da pele, despigmentação do cabelo, apatia, tristeza, face de lua.

Ocasiona diminuição da proteína em diversos setores do organismo: sangue, tecidos periféricos, músculos, fígado e outras víceras.

Marasmo

A deficiência de crescimento é acentuada, bem como a de peso, a atrofia muscular, a ausência de gordura subcutânea e a caquexia. Apresenta face de idoso e pele enrugada. Normalmente são crianças irritadiças. Proteínas plasmáticas normais, ou levemente diminuídas.

Kwashiorkor-marasmático

A mistura marasmo-kwashiorkor apresenta sintomas comuns a ambos. Em todos os casos, as crianças tendem a desenvolver diarreia, infecções e múltiplas deficiências de nutrientes.

MARASMO

KWASHIORKOR

Lactente (menores de 2 anos)

Grave privação ou absorção prejudicada de proteína, energia, vitaminas e minerais

Desenvolve-se lentamente; DPE crônica

Perda severa de peso

Perda muscular grave com perda de gordura

Crescimento: < 60% do peso para a idade

Ausência de edema detectável

Ausência de fígado gorduroso

Ansiedade, apatia

Apetite pode ser normal ou prejudicado

Cabelo ralo, fino e seco; facilmente arrancado

Pele seca, fina e enrugada

Lactentes mais velhos e crianças novas (1 a 3 anos)

Ingestão inadequada de proteína ou, mais comumente, infecções

Inicio rápido; DPE aguda

Alguma perda de peso

Alguma atrofia muscular, com retenção de alguma gordura corporal

Crescimento: 60% a 80% do peso para a idade

Edema

Fígado aumentado, gorduroso

Apatia, irritabilidade, tristeza

Perda de apetite

Cabelo seco e quebradiço; facilmente arrancado; cor alterada; torna-se liso

A pele desenvolve lesões

Tratamento da desnutrição

A prioridade é a recuperação dos depósitos de gordura que garantem suporte energético para o processo anabólico do crescimento.

Medidas simples podem ser tomadas, como organizar os horários das refeições e acrescentar uma colher de sopa de óleo vegetal nas refeições principais.

Deve-se, primeiramente, recuperar o peso, para depois intervir na qualidade da alimentação.

Como referenciar: "Desnutrição infantil" em Só Nutrição. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2020. Consultado em 29/05/2020 às 14:09. Disponível na Internet em http://www.sonutricao.com.br/conteudo/artigos/desnutricao/

Divirta-se com o LOBIS HOMEM

O SONHO DE SER CANTOR

SOFRENDO COM A LÍNGUA PORTUGUESA