Você está em Artigos

Doenças do pâncreas

Pancreatite

Inflamação aguda (lesões reversíveis) ou crônica (lesões irreversíveis).

Pancreatite aguda: episódio inflamatório isolado e sem sequelas funcionais.

Pancreatite aguda recorrente: caracterizada por mais de um episódio agudo, com a glândula retornando ao normal entre os episódios.

Pancreatite crônica: caracterizada por lesão parenquimatosa progressiva e desenvolvimento de insuficiência exócrina ou endócrina com dores alternadas ou persistentes.

A desnutrição nos pacientes com pancreatite pode ocorrer por ingestão deficiente de alimentos devido à dor abdominal, anorexia, náuseas, vômitos e má absorção. Concomitantemente ocorre insuficiência pancreática, enzimática e hormonal, incapacitando o indivíduo de repor as necessidades calórico-proteicas.

Etiologia: bebidas alcoólicas, colelitíase, hiperlipidemia, trauma pós-operatório, reação a drogas, viroses, hiperparatireoidismo, infecções, anormalidades no ducto pancreático.

Pancreatite aguda

Sintomas: dor abdominal severa, náuseas e vômitos, distensão abdominal, constipação intestinal.

Tratamento: alívio da dor, repouso da glândula, prevenção e correção das alterações secundárias, analgesia, inibição da atividade secretora do pâncreas.

Conduta dietoterápica

Nada por via oral (NPO): hidratação venosa com administração de eletrólitos.

Aspiração naso-gástrica para aliviar a dor abdominal e reduzir o estímulo da secreção de ácidos gástricos sobre o pâncreas.

Após 24 a 48 horas com melhora do quadro clínico, inicia-se com líquidos via oral (VO).

Em casos agudos menos severos, dieta líquida clara.

Valor energético total (VET): Normalmente hipercalórico, mas avaliar dor. Necessidades metabólicas comparam-se à sepse. Suporte Nutricional (jejuno).

Carboidratos: normoglicídica, sem açúcares simples para diminuir a produção de amilase pancreática.

Proteínas: normoproteica, de 0,8 a 1,0g/kg/dia.

Lipídios: hipolipídica, < 50g/dia, com utilização de TCM.

Vitaminas e minerais: de acordo com as necessidades individuais de cada paciente. Atenção à vitamina B12, pois as enzimas proteolíticas pancreáticas são necessárias para captar a vitamina B12 de seu portador de proteínas. Se necessário, oferecer via parenteral.

Temperatura: normal.

Fracionamento: aumentado.

Volume: diminuído.

Líquidos: hiperhídrica.

Álcool: proibido.

Consistência: de líquida a branda.

Pancreatite crônica

Sintomas: dor persistente com oscilação no grau (pode ser desencadeada pela ingestão de álcool ou gordura), anorexia, náuseas e vômitos.

Tratamento: sedativos brandos, enzimas pancreáticas, antiácidos e anticolinérgicos.

Conduta dietoterápica

Valor energético total (VET): de acordo com as necessidades individuais de cada paciente. Normalmente hipercalórico (paciente desnutrido).

Carboidratos: normo a hiperglicídica, sem concentração de dissacarídeos se hiperglicemia.

Proteínas: hiperproteica.

Lipídios: hipolipídica < 50g/dia, ênfase no uso de TCM.

Vitaminas: suplementar pela via alimentar vitaminas lipossolúveis e B12, pois têm sua absorção diminuída pela esteatorreia e pela diminuição da protease pancreática, respectivamente.

Minerais: atenção especial ao zinco, pois é expoliado pelo álcool.

Consistência: pastosa a branda.

Volume: diminuído.

Fracionamento: aumentado.

Fibras: aumentado, 25 a 35g/dia.

Líquidos: aumentado.

Álcool: proibido.

Os alimentos estimulantes da secreção ácida como café, chá, chocolate e condimentos devem ser evitados. Administrar reposições de enzimas pancreáticas pela via oral com as refeições.

Como referenciar: "Doenças do pâncreas" em Só Nutrição. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2019. Consultado em 15/09/2019 às 13:23. Disponível na Internet em http://www.sonutricao.com.br/conteudo/patologias/pancreas/